quinta-feira, 24 de janeiro de 2008



O contrário do Amor

O contrário de bonito é feio, de rico é pobre, de preto é branco, isso se aprende antes de entrar na escola. Se você fizer uma enquete entre as crianças, ouvirá também que o contrário do amor é o ódio. Elas estão erradas. Faça uma enquete entre adultos e descubra a resposta certa: o contrário do amor não é o ódio, é a indiferença.

O que seria preferível, que a pessoa que você ama passasse a lhe odiar, ou que lhe fosse totalmente indiferente? Que perdesse o sono imaginando maneiras de fazer você se dar mal ou que dormisse feito um anjo a noite inteira, esquecido por completo da sua existência? O ódio é também uma maneira de se estar com alguém. Já a indiferença não aceita declarações ou reclamações: seu nome não consta mais do cadastro.


Para odiar alguém, precisamos reconhecer que esse alguém existe e que nos provoca sensações, por piores que sejam. Para odiar alguém, precisamos de um coração, ainda que frio, e raciocínio, ainda que doente. Para odiar alguém gastamos energia, neurônios e tempo. Odiar nos dá fios brancos no cabelo, rugas pela face e angústia no peito. Para odiar, necessitamos do objeto do ódio, necessitamos dele nem que seja para dedicar-lhe nosso rancor, nossa ira, nossa pouca sabedoria para entendê-lo e pouco humor para aturá-lo. O ódio, se tivesse uma cor, seria vermelho, tal qual a cor do amor.


Já para sermos indiferentes a alguém, precisamos do quê? De coisa alguma. A pessoa em questão pode saltar de bung-jump, assistir aula de fraque, ganhar um Oscar ou uma prisão perpétua, estamos nem aí. Não julgamos seus atos, não observamos seus modos, não testemunhamos sua existência. Ela não nos exige olhos, boca, coração, cérebro: nosso corpo ignora sua presença, e muito menos se dá conta de sua ausência. Não temos o número do telefone das pessoas para quem não ligamos. A indiferença, se tivesse uma cor, seria cor da água, cor do ar, cor de nada.


Uma criança nunca experimentou essa sensação: ou ela é muito amada, ou criticada pelo que apronta. Uma criança está sempre em uma das pontas da gangorra, adoração ou queixas, mas nunca é ignorada. Só bem mais tarde, quando necessitar de uma atenção que não seja materna ou paterna, é que descobrirá que o amor e o ódio habitam o mesmo universo, enquanto que a indiferença é um exílio no deserto.

Martha Medeiros

*******************************

Repassando com todo carinho os selinhos que recebi da
Izi e do George

Marcelo Bafica
Marcinha
Bobinho
George
Evelize

Astrid
Everson
Landinho
Thulio
Jobofevi
Izi

23 comentários:

A Marcinha* - disse...

Bom Dia Adri!!!!

Menina que texto hein!!!

O ódio, tal como o amor, alimenta-se com as menores coisas, tudo lhe cai bem. Assim como a pessoa amada não pode fazer nenhum mal, a pessoa odiada não pode fazer nenhum bem.

Bjinhos....Marcinha*

Lembre-se...

"Tudo é amor.
Até o ódio, o qual julgas
ser a antítese do amor,
nada mais é senão o próprio amor
que adoeceu gravemente."

Francisco Cândido Xavier

Chuvinha disse...

Alias nao existe nada pior que a indiferenca! rs

Evelize disse...

Fazia muito tempo que não lia algo tão verdadeiro....além da indiferença ser o contrário do amor, ela mata. Parabéns pelo post. Bjos

MARCELO BAFK disse...

Já diziam que ser indiferente ou até mesmo ignorar as pessoas e os fatos é o melhor remédio para a vingança e tudo isso de fato vai contra o amor.
Visite: realmente.zip.net
Tenha um bom dia!

Izi disse...

oi amiga, belo texto, gostei...o amor, o mais puro dos sentimentos ser transformado em indiferença...é muito triste.
beijos...Izi

Landinho disse...

Realmente um belo texto.

claudia disse...

bom dia linduxa!!!q belo post!uma ótima quinta pra ti!!!beijos:)

George Carvalho disse...

Boa tarde!
Lindo texto!
E, com palavras verdadeiras!
Amei!
Hei, tenho uma lembrança para você lá no meu blog.
Merecida lembrança!
Espero que goste!
Abraços!

jobofevi disse...

A indiferença é algo que magoa profundamente.

thulio disse...

valeu pela consideração, pelo carinho! legal a surpresa! t+

MARCELO BAFK disse...

Agradeço ao Selo e pelo carinho da lembrança.

marcinha* disse...

Vc é um docinho....obrigada pelo carinho....te adoro viu!!!!

sergio disse...

Que texto maravilhoso Adri... Mas só penso que, o ódio realmente não deve ser o oposto de amor. Entretanto, odiar alguém é atrair o mal para si mesmo podendo até, acarretar uma depressão. Do ódio, passo longe! ab amiga

Betho Sides disse...

Lindinha...a indiferença é brabo, mas o texto é muito bom, alias vc é fantástica.bjs e abç

Anônimo disse...

OLA VIM AGRADECER SUA LINDA VISITNHA E DIZER QUE ESTARA SEMPRE ABERTO MEU CANTINHO PARA VC.
BEIJOSSSSSSSS

Luiz O. disse...

eu não tenho uma frequência fixa de postagens...até pq eu fico esperando pra, quem sabe um dia, as pessoas visitarem e comentarem meus posts aheuhauehae...já vou postar mais alguma coisa qq hora...

beijos! =]

Izi disse...

olá miga, vim agradecer o selinho, uauuuu vc mudou a imagem do blog...ficou lindinho, gostei.
beijos!

Bobinho disse...

A indiferença faz a diferença. Obrigado pela gentileza do mimo Adri, seu blog está entre os meus favoritos.

titolivio.zip.net disse...

Linda postagem...Ótimo texto !!! Beijos do Príncipe.

Rodrigues Bomfim disse...

Bonito texto! Ha três coisas que perduram na vida: a fé, a esperança e o amor, mas o amor destas é o maior.

Landinho disse...

Esqueci de agradecer pelo selinho. Estarei distribuindo logo em breve.

Landinho disse...

Esqueci de agradecer pelo selinho. Estarei distribuindo logo em breve.

pedrofreirefilho disse...

Merecido amiga. E o repasse foi nota 10!